O que esquenta menos vidro ou policarbonato?

Quando especificado com sabedoria, o vidro é o mais indicado para cobertura, pois pode receber beneficiamentos relacionados ao conforto térmico e esquentar menos que o policarbonato. O vidro ainda oferece melhor índices de bloqueio de raios UV e, devido à laminação, constitui uma eficiente barreira acústica. Além disso é um material altamente resistente, de baixa deterioração e que não amarela ou deforma sob altas temperaturas, diferentemente do policarbonato, por exemplo.



No momento definir o que esquenta menos vidro ou policarbonato é importante considerar, também, a taxa de transmissão de luminosidade desejada para o ambiente, pois conforme consta, o vidro laminado tradicional pode oferecer uma taxa de transmissão luminosa que varia de 52% a 70%, enquanto que taxa de luminosidade do policarbonato altera entre 20% e 25%. Considere que quanto mais translúcido, maior a sensação de integração dos ambientes interno e externo que a cobertura proporcionará.



Ainda convém destacar que o vidro laminado – indicado para coberturas e derivados – são compostos por duas ou mais lâminas de vidro, cenário que multiplica as possibilidades de composição do material, que pode receber películas coloridas e vidros com beneficiamentos especiais - como aqueles relacionados ao conforto térmico e alívio acústico. Em caso de dúvidas sobre o que esquenta menos vidro ou policarbonato, consulte um profissional SEV Exclusivv.

O que esquenta mais, policarbonato ou vidro?

O conforto térmico oferecido pelos dois materiais é um fator muito importante, afinal de contas, geralmente a cobertura fica exposta à radiação solar durante a maior parte do dia. Mas é preciso lembrar que a radiação solar é composta por raios UV, raio IV e a luz visível. Dessas três radiações, somente o raio IV é uma fonte de calor, porém, os raios UV também devem ser evitados (para evitar desbotamento da cor dos elementos e problemas de pele) e a luz visível promove conforto visual ao ambiente.



Sendo assim, além de saber o que esquenta menos vidro ou policarbonato, é de extrema importância projetar uma cobertura que consiga interagir com esses três tipos de radiação, e mergulhar no universo que vidro oferece é a melhor alternativa para o caso. São muitas as possibilidades capazes de satisfazer essa necessidade. Abaixo listamos alguns tipos de vidro e estrutura que podem ser aplicadas em coberturas, juntamente com suas características:



- Vidro de controle solar: Os vidros de controle solar são fabricados com o auxílio de camadas metalizadas depostas em uma das superfícies da placa. Essas camadas metalizadas ficam responsáveis por reduzir a passagem da luz solar, garantindo alívio térmico, proteção contra raios UV e alta luminosidade no espaço.



-  Vidro low e – baixa emissividade: Vidros de baixa emissividade apresentam um revestimento extrafino de óxidos e metais em uma de suas faces. Essa técnica proporciona baixa emissividade de calor, pois as partículas nanométricas são capazes de absorver os raios IV, permitindo, ainda, que o usuário controle tanto a perda quanto ganho térmico. Legal, né? Por esse motivo o modelo entrou para a nossa lista sobre o que esquenta menos vidro ou policarbonato.



- Vidro duplo: Também denominado de vidro insulado, esse tipo de estrutura utiliza duas ou mais placas de vidro acomodadas paralelamente, separadas por uma câmara de ar desidratado. Essa configuração dificulta troca de calor entre os ambientes externo e interno, proporcionando o conforto térmico no local. Vale lembrar que o vidro duplo aceita combinação de tecnologias do vidro em uma mesma aplicação.



E para finalizar o nosso artigo sobre o que esquenta menos vidro ou policarbonato, além de oferecer altos índices de conforto térmico, o vidro ainda garante a segurança dos usuários até mesmo após um possível estilhaçamento. Destacamos que o modelo indicado para esse tipo de aplicação deve ser o vidro laminado, um tipo de vidro que se fragmentado fica semelhante à uma teia de aranha e mantém todos os estilhaços de vidro presos a si, cenário que não ocorre no caso de quebra do policarbonato.

"
O mercado vidreiro no Brasil é desorganizado, isso contribui para que o vidro não esteja na evidência merecida. Um dos motivos da nossa fusão anos atrás foi para isso, estrategicamente unimos o know-how de consultoria, projetos e execução, podendo de fato atender em escala as altas exigências de incorporadoras alto padrão e arquitetos
"

Daniel Estrela

CEO da SEV Exclusivv.